sexta-feira, 29 de junho de 2012

CARICATURA, CHARGE E CARTUM



Quando falamos em caricatura, inúmeros são os fatores sociais, culturais e históricos que contribuíram para o surgimento dessa forma de expressão. Uma simples definição não é o suficiente para passar a limpo a riqueza de informações que a caricatura, como linguagem gráfica, traz consigo.

De qualquer maneira, pretendo aqui explicar de modo mais simples possível, as características que diferem as principais formas de manifestação da caricatura como desenho de humor (caricatura pessoal, charge e cartum).
À saber, além do desenho, a caricatura é também expressa através da pintura, da escultura, do cinema, teatro, etc.

Voltando ao desenho de humor, muitas pessoas fazem confusão ao citar uma caricatura pessoal, uma charge ou um cartum. Qual a diferença entre esses termos?


Daniel Lüdtke


CARICATURA

          A caricatura pessoal é uma das formas de expressão caricatural e se utiliza do exagero em determinadas características físicas da pessoa. A palavra caricatura vem do italiano “caricare” que significa “carregar” ou “exagerar”, assim, os ilustradores adoram usar para satirizar personagens públicos. É mais comum vermos o emprego do exagero nos traços da fisionomia da pessoa caricaturada mas pode-se eleger qualquer parte do corpo, bem como trejeitos para serem destacados no desenho.
A caricatura, dependendo do contexto, pode até se transformar em uma charge (caso tenha um sentido de atacar ou criticar alguma situação) ou pode se transformar em cartum (se simplesmente for um desenho descompromissado). Não necessariamente as caricaturas têm que ser exageradas, podemos fazer caricaturas em formatos diferenciados, mas mantendo as características das pessoas para terem uma identificação mais facilitada. Então, uma caricatura é o retrato de alguém, exagerado ou não mantendo suas características físicas.

CHARGE







            A charge e o cartum são outras duas formas de manifestação caricatural mas o foco principal nesses casos, é uma situação ou um determinado fato ocorrido. A diferença entre a charge e o cartum é que a primeira relata um fato ocorrido em uma época definida, dentro de um determinado contexto cultural, econômico e social específico e que depende do conhecimento desses fatores para ser entendida. Fora desse contexto ela provavelmente perderá sua força comunicativa, portanto é perecível. Justamente por conta desta característica, a charge tem um papel importantíssimo como registro histórico. A Charge é uma ilustração que tem como objetivo principal dar opinião e, na maioria das vezes, criticar certo assunto. A palavra CHARGE vem do francês e significa “atacar” ou “carregar”, digo isso no sentido figurado da palavra.
 A ilustração tem sentido em certa época com algum fato ocorrido em sua sociedade, é um trabalho temporal. Podemos ver muitos exemplos com temas de futebol e política, mas não excluem outros temas, simplesmente os dois são os mais inspiradores por suas polêmicas e acontecimentos. Esta é a maior característica da charge, contextualizar certa situação em seus desenhos, fora isso ela perde sua funcionalidade como termômetro crítico. Muitas charges duram décadas e são exemplos até hoje para profissionais, mantendo sua força de expressão e formação de opinião.






CARTUM

Já o cartum, ao contrário da charge, relata um fato universal que não depende do contexto específico de uma época ou cultura, sendo assim atemporal. A palavra vem do inglês “cartoon” que significa “cartão”, ele relata um assunto universal sem depender de contexto nenhum, apenas um tema a ser explorado. Temas universais como o náufrago, o amante, o palhaço, a guerra, o bem x mau, são frequentemente explorados em cartuns. São temas que podem ser entendidos em qualquer parte do mundo por diferentes culturas em diferentes épocas. É comum vermos a ausência de textos em cartuns. São os chamados cartuns pantomímicos ou cartuns mudos onde a ideia é representada somente pela expressão dos personagens no desenho sem que seja necessário o emprego de texto como suporte.
Como eu disse no início, uma simples definição não é o suficiente para citarmos todas as características dessa forma de expressão, mas, como base, é importante fazermos essa diferenciação entre as formas de manifestação da linguagem caricatural.

         CHARGES E CARICATURAS DE ELI DE CASTRO 

A partir de agora irei apresentar para vocês algumas de minhas caricaturas e charges revelando meu processo de criação.
                                                     Eleições Municipais de 2004
Essa foi uma das minhas primeiras charges realizadas nas eleições municipais de 2004.
Seguindo a sugestão de um amigo resolvi dar a minha interpretação dos comentários recorrentes sobre os reais interesses dos candidatos. Essa brincadeira não ficou em oculto na época. Algumas pessoas fizeram cópias dessa charge e distribuíram na cidade ficando uma grande interrogação: quem havia realizado o desenho? Pra quem não ficou sabendo, foi realizado por mim.
Essa é uma charge antiga realizada na época da faculdade. Foi uma brincadeira realizada entre colegas sobre honestidade na política.

Esta charge foi realizada num período que considero muito importante para a opinião pública no município de Quixabeira. Nesta época foi lançado o jornal municipal Q Folha, sucesso de vendas. Vindo a público quinzenalmente o jornal além de informar tinha como objetivo desenvolver o pensamento crítico.
A cada nova edição eram apresentadas charges que falavam sobre os problemas e os acontecimentos do município. Esta charge satiriza um problema de saneamento básico que afetava alguns moradores da rua Cruzeiro do Sul.
Infelizmente não tenho a charge da primeira edição, alvo de muita polêmica falando sobres questões da saúde pública.
Inicialmente estas charges provocaram muitas polêmicas por interpretações equivocadas e algumas foram até censuradas, como essa, por exmeplo, que teve seus balões de fala alterados, mas agora vocês podem ver a charge original sem a fala sensurada.
Com o tempo a população foi entendendo o significado de tudo e da liberdade de expressão.

Nesta charge é discutido um problema que incomodava parte da população:  a superlotação do cemitério municipal. Quando se cavava um túmulo era comum encontrar ossadas humanas que eram de forma desrespeitosa violadas e jogadas sobre outro caixão enterrado sobre os mesmos restos mortais.
Esta charge remete a um período de grande pressão enfrentado pelo prefeito daquela gestão. A população do povoado de Alto do Capim ainda não tinha acesso a água encanada, por isso ocorreram alguns protestos que culminaram numa visita que o Senador Aleluia fez a Quixabeira  em suas campanhas políticas.
Muitas pessoas foram a praça antiga da cidade para ouvir os discursos e uma parte das pessoas aproveitou a oportunidade para protestar contra a falta de água no povoado de Alto do Capim. Então um cidadão fez um questionamento audível para Aleluia sobre falta de água e ele respondeu que esse problema seria resolvido.





Esta charge foi uma forma de homenagear a cultura nordestina no Natal de 2005, e por incrível que pareça, foi alvo de muita polêmica por causa de interpretações equivocadas.


            Ainda discutindo o mesmo problema da falta de água no povoado de Alto do Capim e a pressão enfrentada pelo ex prefeito.
                                                                   
                        

                                              
PROCESSO DE CRIAÇÃO DE UMA CHARGE OU CARTUM
A partir de agora vamos conhecer um pouco sobre o processo de criação de uma charge ou cartum.
Para isso, basta um conhecimento básico de desenho, boas ideias e estar atento ao que acontece a sua volta.
Qualquer assunto pode servir como tema: Futebol, política, o cotidiano, entre outros.
Para expressar suas ideias alguns cartunistas criam personagens, outros utilizam personagens reais realizando a caricatura deles. Um exemplo bem clássico disso são as charges políticas. Outros não se preocupam com a criação de personagens nem realizam caricaturas, sua atenção principal é com a ideia expressa podendo ser utilizado um personagem que seria aproveitado apenas uma vez para determinada charge.
PROCESSO DE CRIAÇÃO
 
Todo processo de criação se inicia com o surgimento de uma ideia, que pode vir completa ou desconexa. Independente de como essa ideia possa surgir, ela deve ser registrada imediatamente. Antigamente eu costumava registrar minhas ideias em blocos, por isso sempre andava com uma caneta ou papel em mãos, atualmente costumo utilizar o celular para esse fim.
Nem sempre uma ideia vem completa, nesse caso devemos escrever o que nos vier a mente de forma que possamos entender mais tarde. As vezes isso leva tempo, mas com o registro da primeira ideia por escrito, mesmo que no momento ela pareça ruim, isso se torna mais fácil.
As ideias estão em toda parte: numa conversa informal com um amigo, numa piada espontânea do colega, num comentário de alguém na rua, na TV. Basta que você esteja atento e tenha bom humor.
Além do registro das ideias por escrito também existe também a registro desenhado e os estudos. Nesse processo você pensa como serão realizados os personagens, que expressões eles terão, cenários, etc.
Na primeira charge que realizei em 2004, minha ideia inicial era desenhar uma vaca com o nome prefeitura escrito nela, ela deveria ter tetas grandes e os candidatos a prefeitura deveriam estar em fila procurando ver quem mamaria nela primeiro. Antes de realizar o desenho comecei estudando como seria a vaca, suas expressões, anatomia, entre outros e os outros personagens.



Em seguida, realizei um estudo da charge para ver onde cada personagem se localizaria.
 
 

         Por fim, depois de ter certeza de como ela seria realizada, desenhei a charge.


Processo parecido ocorreu na criação da charge do político honesto. A diferença é que houve uma alteração da ideia original que era representar o político honesto em extinção dentro de uma jaula e ao longe um atirador mirando para acertá-lo. Esse atirador foi substituído por um homem e seu filho observando a jaula e a piada se deu através do diálogo dos dois.

                                                                          



 
 

 


 

EM CONSTRUÇÃO

 






Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário